Argentina exportará primeiro GNL em 2019

21 novembro 2018

A Argentina deve começar as exportações de gás natural liquefeito de uma parte de seu vasto recurso de gás de xisto Vaca Muerta no próximo ano por meio de um navio flutuante de liquefação de GNL fornecido pela Exmar, informou a companhia de navegação belga na quarta-feira.

As operações, que devem começar no segundo trimestre de 2019, introduzirão a Argentina no pequeno clube de cerca de 20 países que exportam GNL, enquanto a FLNG será apenas a quarta e a menor do mundo.

A companhia estatal de petróleo YPF assinou um contrato de 10 anos com a Exmar para implantar a FLNG, anteriormente conhecida como Caribbean FLNG, em Bahia Blanca, na costa leste, cerca de 650 quilômetros ao sul de Buenos Aires.

O porto hospedou o primeiro terminal de importação de GNL da América do Sul, uma unidade flutuante de armazenamento e regaseificação (FSRU) fornecida pela empresa norte-americana Excelerate. No entanto, esse FSRU, o Excelerate Exemplar, saiu da porta em 30 de outubro, de acordo com dados do Refinitiv Eikon.

A Argentina continuará a ter a capacidade de importar GNL através da Excelerate Expedient FSRU ancorada em Escobar, perto de Buenos Aires. A nova embarcação de importação será agora denominada Tango FLNG e deverá enviar até oito cargas por ano.

"Graças à relação comercial com a Exmar, agora podemos agregar valor aos recursos extraídos da Vaca Muerta e aproveitar ao máximo a oportunidade sazonal com os mercados asiáticos e nossa localização exclusiva para atender aos centros de demanda", disse o presidente da YPF, Miguel Gutierrez. na declaração.

Vaca Muerta é semelhante aos depósitos de gás de xisto que rejuvenesceram a indústria de energia dos EUA. A peça argentina é uma das maiores reservas de hidrocarbonetos não convencionais do planeta, embora grande parte de seu petróleo e gás continue inexplorada.


(Reportagem de Sabina Zawadzki, edição de Alexandra Hudson)

Categorias: Embarcações, Energia Offshore, GNL