Castello Branco Nomeado CEO da Petrobras

De Gram Slattery e Rodrigo Viga19 novembro 2018
© Celso Pupo / Adobe Stock
© Celso Pupo / Adobe Stock

Na segunda-feira, o novo governo de extrema direita do país recorreu a um economista formado na Universidade de Chicago com experiência no setor petrolífero para ser o principal executivo da estatal Petróleo Brasileiro SA, em meio a um debate sobre a privatização dos ativos da empresa.

A nomeação de Roberto Castello Branco é a mais recente de uma série de compromissos de negócios do presidente eleito Jair Bolsonaro, que toma posse em 1º de janeiro.

Castello Branco, membro do conselho da Petrobras até 2016, também ocupou cargos executivos no banco central do Brasil e na mineradora de ferro Vale SA.

Ele substituirá Ivan Monteiro, que permanecerá como CEO da companhia petrolífera até que Castello Branco seja oficialmente nomeado por Bolsonaro, afirmou na segunda-feira o ministro da economia do país, Paulo Guedes.

Em um registro de títulos, a Petrobras disse que Monteiro deixará a empresa em 1º de janeiro.

A Universidade de Chicago, onde Guedes também estudou, tem sido associada à economia ortodoxa, particularmente na América Latina.

A Petrobras, a maior empresa do Brasil em capitalização de mercado, emprega mais de 60.000 pessoas e é uma fonte de orgulho nacional. No entanto, seu papel central na investigação "Car Wash", considerada por muitos como a maior investigação de corrupção do mundo, prejudicou sua imagem pública e seus resultados nos últimos anos.

Castello Branco, que fez pós-doutorado em economia na Universidade de Chicago, assumirá a direção da Petrobras em meio a um debate dentro da equipe de Bolsonaro sobre a direção do produtor de petróleo.

Guedes defendeu uma privatização completa da empresa, enquanto os generais militares em torno de Bolsonaro se opõem a essa idéia. O próprio Bolsonaro disse que prefere manter a empresa nas mãos do estado, mas está aberto à privatização de certos ativos.

A nomeação de Castello Branco segue a indicação quinta-feira do executivo bancário Roberto Campos Neto à chefia do banco central do Brasil. Formado pela Universidade da Califórnia, Campos é atualmente um executivo sênior do Banco Santander Brasil SA.

Sob a orientação de Guedes, Bolsonaro cercou-se de conselheiros interessados ​​em economia ortodoxa, que anima os investidores.

Traders disseram que a indicação de um CEO favorável ao mercado na Petrobras era amplamente esperada.

As ações preferenciais da Petrobras subiram 1,5% no pregão matinal, tornando-as as maiores ganhadoras do índice de referência Bovespa.

"Eu preferia que Ivan (Monteiro) continuasse, mas dada a mudança, já que ele (Castello Branco) estava no conselho, ele já conhece a empresa e tem um bom perfil", disse um trader do Rio de Janeiro, que pediu anonimato para falar francamente.

"No mínimo, ele está alinhado com a direção atual da empresa."


(Reportagem de Rodrigo Viga, Paula Viga Gaier e Gram Slattery; Reportagem adicional de Anthony Boadle; Redação de Bruno Federowski; Edição de Daniel Flynn e Susan Fenton)

Categorias: Águas profundas, Energia Offshore, Pessoas nas Notícias