Um 'Chicago Boy' toma as rédeas da Petrobras

Por Gram Slattery4 janeiro 2019
Roberto Castello Branco (Foto: Petrobras)
Roberto Castello Branco (Foto: Petrobras)

Dependendo de para quem você pergunta, Roberto Castello Branco, o novo presidente-executivo da brasileira Petróleo Brasileiro SA, vai poupar a maior parte endividada do petróleo - ou deixá-la sem osso.

Batido pelo presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro, que assumiu o poder na terça-feira, Castello Branco disse em uma coluna de jornal de junho que achava que a Petrobras deveria ser privatizada, uma proposta hardcore mesmo em uma administração repleta de defensores do livre mercado. .

Ele voltou atrás nessa ideia desde que foi nomeado CEO em novembro, dizendo que tal movimento não está em seu mandato, mas indicou que ele continua focado no laser em um ambicioso programa de desinvestimento, visando cortar a impressionante dívida líquida da Petrobras, que ficou em US $ 73 bilhões a partir do terceiro trimestre.

Castello Branco criticou duramente o governo anterior por se intrometer no preço do diesel doméstico. Em uma entrevista no ano passado com a Reuters, ele também reclamou dos tribunais que bloqueiam as vendas de ativos da Petrobras, que incluem quatro refinarias e uma subsidiária de dutos conhecida como TAG, entre muitas outras.

Sua posição encantou os investidores, que querem que a empresa alastradora reduza e consolide os esforços em negócios centrais, explorando notavelmente os campos petrolíferos em águas profundas do Brasil.

No entanto, alguns legisladores, juízes e sindicatos temem que Castello Branco ofereça algumas das posses mais valiosas do Brasil. Eles se comprometeram a entrar em seu caminho.

"É a pior situação possível; ele é uma raposa no galinheiro", disse Eduardo Henrique, líder do sindicato dos petroleiros da FNP, um dos maiores do país.

"Ele veio para destruir a empresa ... e confrontar esse é o nosso grande desafio."

Terreno Rochoso
Castello Branco, acadêmico e ex-membro do conselho da Petrobras e minerador de minério de ferro Vale SA, está entre um grupo de funcionários economicamente conservadores do governo Bolsonaro que foram treinados na Universidade de Chicago.

Na América Latina, seus graduados pró-livre-mercado - que às vezes, nas últimas décadas, tiveram influência significativa sobre os formuladores de políticas - são frequentemente chamados de "Chicago Boys".

"É interessante que, embora ele seja liberal, ele será o chefe de uma empresa estatal", disse Carlos Langoni, um economista que assessorou Castello Branco em sua dissertação na década de 1970.

"Ele tem sido muito consistente em suas idéias sobre a redução do papel do Estado na economia ... ele sabe que as empresas estatais são exceções."

No entanto, a medida em que Castello Branco poderá colocar em prática suas ideias liberais está em dúvida.

Vários tribunais no Brasil suspenderam as principais vendas de ativos da Petrobras nos últimos meses. A empresa está envolvida em uma disputa multibilionária com o governo sobre uma zona de produção de petróleo conhecida como área de transferência de direitos, enquanto o estado efetivamente exigiu que a empresa ajude a pagar as contas de compra de diesel subsidiado desde junho.

Castello Branco, descrito por muitos à sua volta como exasperando a confiança, não tem a experiência política de seu antecessor, Ivan Monteiro, que subiu nas fileiras do estatal Banco do Brasil SA, habilmente mantendo um balanço saudável mesmo em meio a intensas interferências do governo.

Castello Branco já irritou as penas da Petrobras em dezembro, montando um escritório antes de assumir oficialmente seu papel, disseram fontes. Ele deve começar formalmente na quinta-feira.

Os eleitores brasileiros sempre se opuseram à venda parcial ou total de empresas públicas, mesmo apoiando um candidato que prometia reduzir drasticamente o papel do Estado na economia. Isso também poderia deixar a agenda de Castello Branco vulnerável.

"Muitas pessoas que votaram em (Bolsonaro) não concordaram com suas idéias", disse Henrique, o líder sindical. "No próximo ano haverá um grande movimento para enfrentar as privatizações - especificamente com a Petrobras."


(Reportagem de Gram Slattery Reportagem adicional de Marta Nogueira, Edição de Rosalba O'Brien)

Categorias: Águas profundas, Energia, Energia Offshore, Pessoas nas Notícias