Equinor inicia as negociações com o projeto Tanzania Over LNG

Por Nerijus Adomaitis4 dezembro 2018
(Foto: Paul Joynson-Hicks / AP / Equinor)
(Foto: Paul Joynson-Hicks / AP / Equinor)

A Equinor da Noruega está pronta para iniciar conversações com a Tanzânia sobre o desenvolvimento de um projeto de gás natural liquefeito (GNL) baseado em uma descoberta em águas profundas, disse a empresa nesta terça-feira.

O presidente da Tanzânia, John Magufuli, pediu a seu governo que prossiga com as negociações para estabelecer a estrutura comercial e fiscal do projeto de GNL, disse a Equinor, uma empresa estatal de energia majoritariamente conhecida como Statoil.

"A Equinor agora prosseguirá com a ExxonMobil, parceira da ExxonMobil, em negociações para um acordo do governo anfitrião", disse um porta-voz da Equinor em um email à Reuters.

Ele disse que era cedo demais para dizer quanto tempo as conversas com o governo poderiam levar e quanto custaria o projeto.

A Tanzânia disse em 2014 que uma planta de exportação de GNL planejada poderia custar até US $ 30 bilhões.

A Royal Dutch Shell, que opera os blocos 1 e 4 em águas profundas, adjacente ao Bloco 2 da Equinor, antes procurava desenvolver o projeto de GNL em parceria com a Equinor e a Exxon Mobil.

"A Shell continua a trabalhar com o governo da Tanzânia para estabelecer a solução mais rentável e competitiva para o projeto de GNL na Tanzânia", disse uma porta-voz da empresa em um email à Reuters.

"Acreditamos que o governo está em melhor posição para liderar o caminho certo para a entrega do projeto", acrescentou.

A Shell recusou-se a dizer se iria se juntar à Equinor e à Exxon Mobil ou se buscaria negociações separadas com o governo.

A Shell informou em seu site que os três blocos tinham reservas de gás suficientes para construir uma usina de GNL onshore, mas a empresa não estava imediatamente disponível para comentar se iria se juntar aos outros dois para começar as negociações.

A Shell estima que seus dois blocos tenham cerca de 16 trilhões de pés cúbicos (453 bilhões de metros cúbicos) de gás recuperável, semelhante aos volumes do Bloco 2 da Equinor.

A Reuters informou em junho que a Exxon Mobil estava procurando vender sua participação de 25 por cento no Bloco 2, uma vez que estava se concentrando em um projeto ainda maior na vizinha Moçambique.


(Edição de Gwladys Fouche, Edmund Blair e Adrian Croft)

Categorias: Águas profundas, Energia, Energia Offshore, GNL