ExxonMobil quer vender ativos australianos

Por Sonali Paul18 setembro 2019
(Foto: ExxonMobil)
(Foto: ExxonMobil)

A Exxon Mobil anunciou nesta quarta-feira que pretende vender sua participação de 50% no desenvolvimento de petróleo e gás da Bacia de Gippsland no estreito de Bass, na Austrália, como parte de uma revisão mais ampla de seu portfólio global de ativos.

A venda pode chegar a US $ 3 bilhões, no entanto os custos de desativação dos campos antigos podem prejudicar o preço, disseram analistas e banqueiros.

A joint venture da Bacia de Gippsland, no estado de Victoria, tem sido o principal fornecedor de petróleo e gás no sudeste da Austrália, mas a produção está em declínio.

"Como produtor central na costa leste ... esperamos que o interesse seja forte por parte dos players domésticos que desejam ganhar maior exposição ao aumento dos preços do gás", disse Angus Rodger, diretor de pesquisa da Wood Mackenzie.

O parceiro de joint venture da Operadora Exxon 50-50 é o BHP Group. A mineradora BHP, com sede em Melbourne, se recusou a comentar se deve vender sua própria participação ou se está interessada em comprar os ativos da Exxon.

"A Exxon Mobil testará o interesse do mercado por vários ativos em todo o mundo, incluindo seus ativos de produção na Austrália", disse a empresa em comunicado por e-mail.

"Nenhum acordo foi alcançado e nenhum comprador foi identificado", afirmou o documento, sem revelar qualquer valor alvo de um acordo. Enquanto isso, as operações continuarão normalmente, afirmou.

A declaração foi divulgada depois que o jornal Gippsland Times informou que os funcionários da empresa em Gippsland foram informados pelo presidente da Exxon Mobil Australia, Nathan Fay, que os ativos estavam no mercado.

A Exxon disse no início deste ano que estava buscando arrecadar US $ 15 bilhões em vendas de ativos em todo o mundo até 2021.

A BHP disse em um comentário por e-mail que havia sido notificada pela Exxon sobre o plano desta última de colocar à venda seus interesses na joint venture da Gippsland Basin (GBJV).

"A BHP reconhece a importância da GBJV para o fornecimento confiável de gás ao mercado doméstico da costa leste e continuamos comprometidos em manter esse suprimento", disse um porta-voz da BHP em um comentário enviado por email.

A BHP reportou sua participação na produção no ano até 30 de junho em 112 bilhões de pés cúbicos de gás, 5,2 milhões de barris de óleo equivalente (mmboe) de petróleo bruto e condensado e 5,4 mmboe de líquidos de gás natural.

Os licitantes em potencial devem incluir outras empresas com ativos no Estreito de Bass, incluindo a Mitsui & Co do Japão, Beach Energy e Cooper Energy, disseram analistas e banqueiros.

Dado o preço, analistas disseram que as empresas podem fazer lances em um consórcio.

Beach e Cooper se recusaram a comentar. Mitsui não estava disponível para comentários imediatos.

Uma compra pela Beach seria uma "aquisição monstruosa" e a estabeleceria "como líder dominante no mercado de gás da costa leste", disse o Credit Suisse em nota em janeiro.

A decisão da Exxon de vender seus ativos na Bacia de Gippsland segue uma decepcionante campanha de perfuração no Estreito de Bass no ano passado, no que havia sido visto como uma perspectiva promissora de gás, e vem em meio a planos de perfurar mais poços.

"Não é um grande voto de confiança, porque sugere que eles acham que as chances de aumentar as reservas são bastante baixas", disse Graeme Bethune, diretor executivo da EnergyQuest, uma consultoria do setor.

O outro ativo de produção da Exxon na Austrália é uma participação de 25% no gigante projeto de gás natural liquefeito Gorgon, executado pela Chevron Corp no oeste da Austrália, que não faz parte do processo de venda.

Ela vendeu sua participação de 50% no projeto de gás não desenvolvido de Scarborough, na Austrália Ocidental, para a Woodside Petroleum por até US $ 744 milhões no ano passado


(Reportagem de Sonali Paul; edição de Kenneth Maxwell e Jason Neely)

Categorias: Energia