IPO da Vivo Energy é lançado com avaliação de 2 bilhões de libras

Postado por Joseph Keefe4 maio 2018
Imagem de arquivo (CREDIT: AdobeStock / © Kasto)
Imagem de arquivo (CREDIT: AdobeStock / © Kasto)

Maior IPO com foco na África desde 2005; Vivo para ingressar no índice FTSE 250.
A Vivo Energy PLC foi lançada na Bolsa de Valores de Londres na sexta-feira com uma valorização de quase 2 bilhões de libras (US $ 2,7 bilhões), o maior IPO de Londres até agora este ano e a maior IPO com foco na África em mais de uma década.
O preço de oferta inicial para os menos de 30% da empresa flutuante foi fixado em 165 pence por ação e as ações avançaram para 169,50 pence em negociações condicionais.
A empresa é a joint venture de combustíveis a jusante da Vitol e da Helios Investment Partners, que estão cortando suas participações. Ela vende combustíveis e lubrificantes da marca Shell em quase 2.000 postos de gasolina em 15 países africanos.
"É um sucesso", disse o presidente-executivo da Vivo, Christian Chammas. "A oferta foi seriamente superestimada."
"Nosso sucesso vem do sucesso da África", disse ele, observando que a taxa média de crescimento nos países em que a empresa opera é de aproximadamente 4% ao ano.
"É um ambiente diferente", acrescentou ele.
O IPO é a maior listagem de Londres focada na África desde que a Telecom Egypt levantou 514 milhões de libras em uma avaliação de 2,662 bilhões de libras em dezembro de 2005 e a mais significativa desde que a Seplat levantou US $ 500 milhões em um IPO de 2014 com uma capitalização de mercado de US $ 1,9 bilhão. [https://reut.rs/2HUmgGb]
Chammas disse que a listagem permitiria que a empresa aderisse ao índice de referência FTSE 250.
Ele segue um plano de IPO abortado do empreendimento europeu de jusante da Vitol, a Varo Energy, que suspendeu sua flotação em Amsterdã no mês passado.
Varo disse que as disputas comerciais globais afetaram negativamente outras ofertas públicas iniciais européias.
A oferta de 332,2 milhões de ações equivale a 548 milhões de libras, representando 27,7% da companhia.
Ela cria liquidez para os acionistas principais e reduzirá a participação da Vitol para 40%, de 55%, e a da Helios para 30%, de 44%, disse Chammas.
O JPMorgan, o Citigroup e o Credit Suisse lideraram a listagem.
A Vivo informou lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação e amortização de US $ 376 milhões em 2017, acima dos US $ 302 milhões em 2016.

Ela também espera fechar até o final do ano um acordo para comprar 300 postos de gasolina da Engen, que expandirá seus negócios para nove países africanos adicionais. ($ 1 = 0.7375 libras) (Reportagem de Libby George

Categorias: Atualização do governo, Combustíveis e Lubrificantes, Contratos, Energia, Finança, Legal