Madagascar inaugura nova rodada de licenciamento offshore

Laxman Pai7 novembro 2018
De Stock: Escritório de minas nacionais e de indústrias estratégicas
De Stock: Escritório de minas nacionais e de indústrias estratégicas

A nação insular Madagáscar coloca à disposição 44 blocos na Bacia do Morondava, detalhando os períodos de exploração e exploração nos contratos de partilha de produção.

No âmbito do desenvolvimento do potencial de petróleo e gás de Madagáscar, o Estado malgaxe, através do OMNIS, continua a promover projetos que atraem novos investimentos privados a curto, médio e longo prazo.

O regulador estadual OMNIS, junto com a TGS e a BGP, trabalhou para criar um ambiente atraente para a exploração offshore.

A exploração em Madagascar começou no início de 1900, com a descoberta de bacias sedimentares ricas em hidrocarbonetos no oeste, incluindo o campo de petróleo pesado Tsimiroro e as areias betuminosas de Bemolanga.

Após mais de 100 anos de exploração, o offshore desta região fronteiriça permanece em grande parte subexplorado. A ilha partilha uma fronteira marítima com Moçambique, uma província de hidrocarbonetos onde foram descobertas grandes quantidades de gás natural.

Estudos conduzidos em novos dados, em colaboração com TGS e BGP, sugerem que existe um potencial significativo para futuras descobertas offshore.

O anúncio foi feito por Voahangy Nirina Radarson, Diretora Geral do OMNIS.

A missão do OMNIS é implementar a política nacional de exploração e exploração de petróleo e mineração; valorizar dados geológicos básicos; e fomentar parcerias com empresas estrangeiras de petróleo e mineração.

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, Energia Offshore