Shell vende US $ 1,3 bilhão em ativos de petróleo e gás

Por Ron Bousso e Adomaitis de Nerijus11 julho 2018
Foto tirada após a assinatura de hoje. Da esquerda: Ola Borten Moe (OKEA CCO), Rich Denny (diretor executivo da A / S Norske Shell) e Erik Haugane (CEO da OKEA)
Foto tirada após a assinatura de hoje. Da esquerda: Ola Borten Moe (OKEA CCO), Rich Denny (diretor executivo da A / S Norske Shell) e Erik Haugane (CEO da OKEA)

A Royal Dutch Shell anunciou a venda na quarta-feira de ativos de petróleo e gás na Noruega e na Malásia por mais de US $ 1,3 bilhão, aproximando-a da meta de US $ 30 bilhões em alienações até o final do ano.

A empresa anglo-holandesa concordou em vender para a OKEA, uma produtora norueguesa apoiada pela empresa de private equity Seacrest Capital, sua participação de 45% no campo offshore norueguês de Draugen e 12% no bloco Gjoa, totalizando US $ 566 milhões. disse.

Anteriormente, a Shell anunciou a conclusão da venda de uma participação de 15 por cento na Malaysia LNG (MLNG) Tiga para o Secretário Financeiro do Estado de Sarawak por US $ 750 milhões.

A Shell se comprometeu com o ambicioso plano de venda de três anos após a decisão de adquirir o BG Group em 2015, um negócio que foi concluído em fevereiro de 2016 por US $ 54 bilhões.

O último anúncio traz o total de ativos que a Shell vendeu ou concordou em vender desde 2015 para cerca de US $ 27 bilhões, de acordo com cálculos da Reuters.

A Shell permanecerá presente na Noruega, rica em petróleo, por meio de suas participações em vários campos, incluindo Ormen Lange e Knarr, que opera.

Para a OKEA, co-fundada pelo ex-ministro do petróleo Ola Borten Moe, em 2015, o acordo oferece as primeiras participações consideráveis ​​em um campo de produção na plataforma continental norueguesa.

A OKEA disse que os dois campos entregarão cerca de 22.000 barris de óleo equivalente por dia líquidos para a empresa.

Bangchak Corporation A PCL, uma empresa tailandesa de petróleo e gás, entrou em uma parceria estratégica com o Seacrest Capital Group para financiar a aquisição, disse a OKEA.

A OKEA também informou que lançou um bônus garantido de US $ 180 milhões, cinco anos e totalmente subscrito, para ajudar a financiar o negócio.

A Draugen, que produz petróleo desde 1993, tinha cerca de 24 milhões de barris em reservas no final de 2017, segundo dados da Norwegian Petroleum Directorate (NPD).

O campo de Gjoa, operado pela Neptune Energy, tinha 13 milhões de barris de petróleo e 13,5 bilhões de metros cúbicos de gás natural no final de 2017, segundo dados do NPD.

A OKEA tem uma participação pequena no campo Ivar Aasen, operado pela Aker BP, e uma participação de 15% no campo Yme, operado pela Repsol, que deve começar a produzir petróleo novamente no final de 2019.

O governo norueguês aprovou o projeto de redesenvolvimento de mais de 8 bilhões de coroas (US $ 978 milhões) da Yme em março.

Uma tentativa anterior da Talisman Energy de reiniciar o campo, encerrada em 2001, fracassou em 2016 devido a problemas estruturais com sua nova plataforma de produção.


(Reportagem de Ron Bousso; Edição de Adrian Croft)

Categorias: Contratos, Energia, Energia Offshore, Finança, GNL, No mar