Total critica a decisão do BEI de não financiar gás

Por Bate Felix21 novembro 2019
Com uma produção de platô de 100.000 barris de óleo equivalente por dia (boe / d), Culzean representará cerca de 5% do consumo de gás do Reino Unido (Foto: Total)
Com uma produção de platô de 100.000 barris de óleo equivalente por dia (boe / d), Culzean representará cerca de 5% do consumo de gás do Reino Unido (Foto: Total)

Total criticou na quinta-feira a decisão do Banco Europeu de Investimento de parar de financiar todos os projetos de combustíveis fósseis, incluindo gás, dizendo que as empresas que podem mudar para usinas a gás a partir de carvão poluente podem agora reconsiderar.

"Acho que é uma péssima decisão do Banco Europeu de Investimento (BEI) de não financiar nenhum novo projeto de gás. Essa decisão foi tomada de forma injusta, impulsionada por opiniões que claramente ignoram os benefícios do gás em comparação ao carvão". Philippe Sauquet, chefe de gás, energia e energias renováveis da Total, disse em uma conferência sobre gás e energia em Paris.

"O gás nunca foi tão criticado na Europa", disse ele.

O BEI disse na semana passada que iria parar de financiar projetos de combustíveis fósseis no final de 2021, uma decisão histórica que potencialmente causa um golpe em bilhões de dólares em projetos de gás no oleoduto.

Sauquet disse que a decisão ignorou a importância do gás em comparação com a eletricidade pura no aquecimento, acrescentando que durante os dias frios na França, por exemplo, o gás ajuda a aquecer residências usando o equivalente a cerca de 10 reatores nucleares em um único dia.

O gás permite o aumento de fontes renováveis intermitentes no mix de energia, acrescentou.

"São más notícias porque, no final, esse tipo de decisão trará mais emissões de CO2 na Europa", disse Sauquet, acrescentando que algumas empresas que estavam considerando a mudança do carvão para o gás agora questionariam por que deveriam fechar suas usinas de carvão e preferiria mantê-los por enquanto.

"Essa decisão seria um péssimo exemplo para os países que realmente precisam aumentar sua produção de energia e hoje não têm incentivos para fazer a escolha certa e deixar o carvão", disse Sauquet.


(Relatório por Bate Felix; Edição por Edmund Blair e Susan Fenton)

Categorias: Energia, Finança