Total lança projeto de US $ 16 bilhões ao largo de Angola

Laxman Pai12 novembro 2018

O segundo maior produtor de petróleo bruto da África, Angola, e a francesa Total inauguraram oficialmente um novo campo de petróleo no fundo do mar no valor de US $ 16 bilhões no Atlântico, a aproximadamente 260 quilômetros da capital, Luanda.

O Ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social de Angola, Manuel Nunes Júnior, o Presidente e CEO da Total, Patrick Pouyanné, e o Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Carlos Saturnino, inauguraram o projecto Kaombo, que entrou em funcionamento em Julho e está localizado no Bloco 32, em águas de cerca de 2.000 metros.

Durante a cerimônia, a Total também anunciou a continuação de seu programa de desenvolvimento no país, após o lançamento do projeto Zinia 2 em maio.

O grupo, juntamente com os seus parceiros, tomou notavelmente duas decisões de investimento no Bloco 17, localizado a 150 quilómetros da costa de Angola, para desenvolver campos de satélites que serão ligados às infra-estruturas existentes e levarão rapidamente a produção adicional. A Total informou que planeja perfurar 13 poços no bloco 17 para manter a produção de 400.000 barris por dia de petróleo até 2023.

A Total disse que os poços, que conectarão os campos marginais às plataformas flutuantes existentes, serão divididos entre dois projetos:

  • O projeto da fase 2 do CLOV, que requer a perfuração de sete poços adicionais, com o primeiro óleo esperado em 2020 e um patamar de produção de 40.000 barris de petróleo por dia (bopd).
  • O projeto da fase 3 de Dalia, que exige a perfuração de 6 poços adicionais, com o primeiro óleo esperado em 2021 e um patamar de produção de 30.000 bopd.


(Imagem: Total)

O primeiro FPSO, o Kaombo Norte, entrou em operação em julho de 2018, com capacidade de produção de 115.000 bopd. O start-up do segundo FPSO de capacidade similar, o Kaombo Sul, está previsto para o próximo ano. A produção global atingirá cerca de 230.000 bopd no pico e o gás associado será exportado para a fábrica de Angola LNG.

Um total de 59 poços será conectado aos dois FPSOs, ambos convertidos em grandes transportadoras de petróleo bruto (VLCC), através de uma das maiores redes submarinas do mundo. Juntos, eles desenvolverão os recursos de seis campos diferentes (Gengibre, Gindungo, Caril, Canela, Mostarda e Louro) em uma área de 800 quilômetros quadrados nas partes central e sul do bloco.

“Como a principal parceira petrolífera de Angola, a Total orgulha-se de inaugurar um grande projecto offshore como o Kaombo, que iniciou a produção em Julho e marcou um novo marco da nossa história no país”, afirmou Patrick Pouyanné, Presidente e CEO da Total.

“Gostaria de reconhecer a liderança demonstrada pelo Presidente angolano, João Lourenço, e os esforços conjuntos das autoridades, da Sonangol e da indústria para melhorar o quadro contratual, que é um passo essencial para o desenvolvimento de novos projectos. A sanção destes novos projetos demonstra hoje o compromisso contínuo da Total para Angola e para o contínuo desenvolvimento dos recursos de petróleo e gás no país. ”

A Total opera o Bloco 32 com 30% de participação, a Sonangol P & P (30%), a Sonangol Sinopec International 32 Limited (20%), a Esso Exploration & Production Angola (Overseas) Limited (15%) e a Galp Energia Overseas Block 32 BV. (5 por cento).

Categorias: Águas profundas, Energia Offshore, No mar