Vários Estados dos EUA provavelmente retirados do plano de perfuração no mar

Por Nichola Groom e Timothy Gardner17 outubro 2018
Secretário do Interior Ryan Zinke (Foto: Departamento do Interior dos EUA)
Secretário do Interior Ryan Zinke (Foto: Departamento do Interior dos EUA)

O secretário do Interior, Ryan Zinke, sugeriu a pelo menos seis estados costeiros que ele manterá suas águas longe de um plano para expandir a perfuração offshore dos EUA, dizendo que eles não têm petróleo suficiente para serem incluídos de qualquer maneira, segundo funcionários do Estado e transcrições de audiências públicas.

Os comentários de Zinke são a indicação mais clara até o momento de que a proposta inicial do governo Trump de abrir quase todas as águas dos EUA para perfuração, anunciada em janeiro, será significativamente reduzida no momento em que for finalizada. A proposta é esperada ainda este ano.

A administração havia anunciado seu plano inicial como uma boa maneira de aumentar a produção doméstica de energia, mas autoridades de quase todos os estados costeiros do Atlântico e do Pacífico se opuseram a isso, alegando que um vazamento danificaria suas indústrias multibilionárias de turismo e pesca.

Cerca de 17% da produção de petróleo e gás dos EUA vem agora da produção offshore, mas essa produção está concentrada quase exclusivamente no Golfo do México, segundo a US Energy Information Administration.

Pouco depois de anunciar a proposta inicial, Zinke isentou a Flórida, provocando protestos de mais de uma dúzia de outros estados que querem ser poupados, e críticas de uma indústria do petróleo interessada em acessar novas partes do leste do Golfo do México.

Desde então, Zinke disse a autoridades de pelo menos seis estados que ficarão "satisfeitos" ou "felizes" com o plano final, que as águas de suas costas não têm recursos suficientes para fazer investimentos valer a pena, ou ambos, segundo os estados contatados Reuters e as transcrições da audiência.

Eles incluem New Hampshire, Maryland, Carolina do Norte, Maine, Oregon e Washington.

Os estados costeiros remanescentes do Atlântico e do Pacífico não receberam nenhuma garantia ou não especificaram à Reuters o que lhes foi dito pelo Departamento do Interior.

Em Nova Jersey, o governador democrata Phil Murphy pediu uma reunião sobre a perfuração várias vezes com Zinke, mas não recebeu resposta, de acordo com uma pessoa a par do assunto.

Califórnia e Delaware aprovaram leis que proíbem a perfuração offshore para antecipar o plano final do Departamento do Interior.

A porta-voz do Departamento de Interior, Heather Swift, disse à Reuters que Zinke estava incorporando o feedback de todos os estados em sua proposta final. Ela disse que o departamento não tem nenhuma informação nova sobre o momento.

"Nenhum recurso conhecido"
No final de janeiro, Zinke se reuniu com o governador republicano de New Hampshire, Chris Sununu, para discutir seus temores de explorar o pequeno litoral de 18 milhas de seu estado. "Com base nessa conversa, o governador Sununu está confiante de que a perfuração da costa de New Hampshire é muito improvável", disse Jayne Millerick, chefe de gabinete da Sununu, à Reuters por e-mail.

Do vizinho Maine, Zinke disse que "não há petróleo e gás realmente importantes" e "Tenho certeza de que o Maine ficará muito feliz com a proposta preliminar". Ele fez esses comentários durante um interrogatório durante uma audiência da comissão. em abril, pelo deputado Chellie Pingree, um democrata que se opõe à perfuração junto com outros três funcionários eleitos pelo governo federal - incluindo dois republicanos e um independente.

O governador republicano do Maine, Paul LePage, havia inicialmente expressado apoio à perfuração offshore, mas não deu seguimento a Zinke sobre o assunto, disse sua porta-voz Julie Rabinowitz.

Zinke também disse a estados antiporte mais ao sul - especificamente Maryland e Carolina do Norte - que espera que eles fiquem satisfeitos com sua proposta.

Em uma reunião em 3 de fevereiro com o governador democrata da Carolina do Norte, Roy Cooper, Zinke disse que é mais caro desenvolver petróleo e gás no mar e que a Carolina do Norte não tem dutos e portos para fazer valer a pena. Ele disse que espera que a Carolina do Norte e outros estados "ficarão satisfeitos" quando o plano revisado sair, mas não oferecer detalhes, disse o escritório de Cooper.

Para o senador de Maryland, Chris Van Hollen, durante uma audiência no Senado em maio, Zinke disse: "Eu acho que você vai ficar muito feliz com o nosso processo de planejamento enquanto passamos".

Ele acrescentou que Maryland não tem "recursos conhecidos", uma frase que ele também usou sob questionamento da senadora democrata de Washington, Maria Cantwell, para descrever os litorais de Washington, Oregon e "a maior parte da Califórnia".

O Departamento do Interior também está em discussões com o Pentágono, que considera grandes áreas offshore perto da Flórida, Geórgia e Virgínia incompatíveis com a perfuração porque são usadas para testes militares.

Autoridades de defesa disseram à Reuters que as discussões sobre perfuração no leste do Golfo do México estão em andamento.

O grupo ambientalista Sierra Club, que se opõe à perfuração offshore, disse acreditar que a oposição bipartidária ao plano inicial de Zinke manteria as costas leste e oeste "fora dos limites" no plano final.


(Edição de Richard Valdmanis e Tom Brown)

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, De Meio Ambiente, Energia, Energia Offshore, Legal, No mar